quinta-feira, 27 de março de 2014

Cesky Krumlov e a sua mágica atmosfera medieval


Um lugarzinho delicioso para passear a dois, perambular solitário ou na presença de amigos é Cesky Krumlov. Nesta encantadora cidade Tcheca, cortada pelo Rio Vltava, me senti como um personagem de um conto de fadas. Um lugarejo com apenas 15 mil habitantes e a 190 quilômetros de Praga. Lá se pode andar sem pressa, apreciando os mais de 300 prédios históricos.

A atmosfera mágica medieval convida a uma viagem ao tempo. Do alto do seu castelo do século XIII, se pode contemplar, até aonde os olhos alcançam, os coloridos telhados das casinhas. No centro, há uma variedade de lojas e de galerias de arte para vasculhar peças diferentes.

Declarada Patrimônio Histórico pela Unesco, Cesky Krumlov fica na região da Boemia, com um admirável estilo de vida despreocupado. Andarilhar por lá é como se estivesse vendo, através de uma janela, o tempo passar suavemente.

A subida ao castelo é de fácil acesso. O grande atrativo é parar no muro do fosso para ver o urso pardo que guarda o local como nos tempos antigos. Depois de tanto vai-e-vem, o melhor é descansar na varanda de um dos tantos restaurantes à margem do rio e bebericar algo.

Como toda cidade Tcheca que se preze, Cesky Krumlov também tem a sua própria cervejaria, Pivovar Eggenberg. Pode até parecer desfeita, mas sempre peço um cálice de vinho tinto. E para comer há diversas opções de pratos elaborados a base de carne de porco, de salsicha, de repolho e de batata.

Gosto de passear pela Europa no outono, o vermelho-amarelado das árvores dá um retoque aos cenários cinematográficos.

Não há erro. Cesky Krumlov é divina. Vale conferir.


href="http://2.bp.blogspot.com/-xtcmOwDzKhg/UzSWamRDXdI/AAAAAAAABrQ/hqUmFYdmZwo/s1600/2008.JPG" imageanchor="1" >.

Mostar, a cidade mais bonita da Bósnia-Herzegovina






Após cruzar montanhas, rios, lagos e povos pitorescos surge Mostar. A apenas 130 quilômetros de Sarajevo, capital da Bósnia-Herzegovina, a pequena cidade de 94 mil habitantes transpira influência turca. As longínquas marcas do Império Otomano ainda se revelam na arquitetura e nos bazares com artigos em cobre, tapetes e todo o tipo de bugigangas, que enchem os olhos e esvaziam os bolsos dos turistas. Cortado pelo Rio Neretva, o município é dividido em duas partes: a antiga e a nova.



A Stari Most, ou Ponte Velha, muito além de ser o cartão postal da localidade e o ponto preferido para os registros fotográficos dos visitantes, é o elo de união de um povoado dividido entre muçulmanos, sérvios, croatas e bósnios. Após resistir por mais de quatro séculos, a ponte foi bombardeada em nove de novembro de 1993, no período do conflito étnico, que resultou no fim a Iugoslávia. A reconstrução ocorreu em 2004 e um ano depois já estava protegida como Patrimônio da Humanidade pela Unesco.



À beira do Rio há diversos restaurantes e os pratos mais procurados são os de carnes grelhadas e os de trutas, que abundam da região. Pode-se visitar as mesquitas e também deleitar-se num banho turco. Uma opção indispensável é caminhar pela parte antiga da cidade, percorrendo todo o calçamento de pedras deslizantes, parando para um sorvete ou para uma pechincha nas inúmeras lojas. O sapato deve ser confortável.



O excursionista não pode deixar de perambular pela área nova de Mostar. Neste espaço, as cicatrizes da guerra civil dos anos 90 aparecem em prédios cravejados de balas, em casas abandonadas ou destruídas e em ruínas. É a história para ser lembrada.
Não poderia deixar de comentar o fato de que o santuário da Nossa Senhora de Medjugorge encontra-se a 20 quilômetros do povoado e é muito procurado por peregrinos, de vários cantos do mundo, devido às supostas aparições da Virgem.


Mostar está aberta ao turismo e a reconstrução da sua exuberante ponte é o símbolo da esperança e da aposta no futuro. Um lugar encantador, cercado por montanhas e mistérios. Vale conferir.